Fraturas

Devido a sua localização, o pé está sujeito a frequentes fraturas, que podem variar de simples traumas nos dedos a fraturas com sequelas. Em traumas estáveis, o tratamento conservador de repouso, compressão e elevação pode ser utilizado. Mas, no tratamento de casos instáveis como fratura de dois ossos ou com lesão ligamentar associada, a intervenção cirúrgica pode ser indicada.

Tratamento de lesões ligamentares

As lesões ligamentares do tornozelo geralmente ocorrem durante a prática esportiva. Na maioria dos casos, o tratamento adequado consiste no imediato repouso, compressão e elevação após a lesão.

Tratamento do pé diabético

O portador de diabetes mellitus pode sofrer de má circulação dos membros inferiores devido ao estreitamento de suas artérias, um problema decorrente do nível glicêmico fora do padrão. A consequência mais grave disso é o surgimento de uma ferida no pé, que não cicatriza e infecciona, tornando-se uma úlcera diabética. O tratamento de um ortopedista é fundamental para se verificar os ossos do pé e prevenir a formação de calos e machucados.

Tendões

Os tendões participam da ligação entre músculos e ossos, permitindo, assim, a realização de movimentos e o equilíbrio estático. Além de gerar dor, problemas como lesões do tendão de Aquiles e tendões fibulares comprometem funções essenciais do corpo humano.

– Lesões do tendão de Aquiles
O tendão calcâneo, popularmente conhecido como tendão de Aquiles, é a estrutura que liga os músculos da panturrilha ao osso do calcanhar. Responsável pelo impulso da passada, o movimento de erguer-se pela ponta dos pés e o salto, o tendão de Aquiles é resistente, mas sujeito a lesões durante a prática de esportes.

– Tendões fibulares
A inflamação dos tendões é chamada de tendinite e, quando ocorrida sobre os tendões fibulares, estruturas responsáveis pela estabilização e equilíbrio lateral do tornozelo, bem como pela flexão plantar e eversão (mover lateralmente) do pé, gera inchaços e dores ao movimento e palpação local.

Tratamento cirúrgico de deformidades do pé

Deformidades como pé plano ou cavo, joanete ou dedos em garra podem pedir tratamentos cirúrgicos. Para esses casos, a avaliação de um ortopedista especializado em pés é necessária para indicar o tratamento mais adequado.

– Hálux valgo (joanete)
O problema mais comum, quando analisamos o joanete, é o desvio do hálux (dedão do pé). O desvio do dedão do pé leva a uma projeção medial da cabeça do primeiro metatarso que, pelo atrito, pode gerar um quadro doloroso. Esta situação é agravada quando o paciente usa sapatos, principalmente os de bico fino e salto alto, porque a saliência óssea inflamada esfrega-se contra o interior do sapato, criando um ciclo vicioso de inflamação e dor.

– Pé plano
O pé plano é uma das variações de altura do arco do pé, caracterizado pelo contato de toda a sola com o chão. Esse tipo de pé pode gerar pronação ao caminhar, o que concentra todas as pressões em sua parte interna.

– Pé cavo
O pé cavo possui arcos mais altos, o que gera uma área de apoio menor e, consequentemente, a sobrecarga do calcanhar e dos metatarsos. Esse tipo de pé está relacionado à supinação (usar mais a parte da frente), fascite plantar, metatarsalgias e dores no calcanhar.

– Dedos em garra
Também conhecido como dedo em martelo, o dedo em garra é causado por uma lesão no tendão ou no osso da ponta do dedo, uma consequência do colapso de articulações dos dedos. Além do desconforto estético, a deformação gera uma pressão dolorosa no pé, que, em contato com o calçado, cria dificuldades no caminhar.

Artroscopia do tornozelo

A artroscopia do tornozelo é uma cirurgia minimamente invasiva, em que se realiza pequenas incisões por onde passarão os instrumentos cirúrgicos e a câmera. É uma técnica indicada para casos de lesões intra-articulares ou na cartilagem do tornozelo; retiradas de fragmentos do interior do tornozelo; extração de proeminências e deformidades ósseas; diagnóstico e tratamento de sinovites e tumores sinoviais; tratamento da dor na artrose do tornozelo; e tratamento da instabilidade ligamentar do tornozelo.

Peles e anexos

A ortopedia e traumatologia também trata doenças relacionadas à pele e anexos, como lesões do leito ungueal e unhas encravadas.

– Lesões do leito ungueal
O leito ungueal é a estrutura posicionada abaixo das unhas. Devido a sua localização nas extremidades do corpo, o leito ungueal está constantemente exposto a lesões como traumas diretos, laceração, compressão ou esmagamento.

– Unhas encravadas
O problema da unha encravada ou onicocriptose ocorre quando a borda da unha cresce e perfura a pele do dedo, causando dor, inchaço, vermelhidão e até infecção. O ortopedista é um dos profissionais aptos a tratar unhas encravadas.

Afecções pediátricas

O ortopedista trata diversas patologias que afetam crianças, como pé torto congênito, polidactilia e sindactilia.

– Pé torto congênito
A maioria dos casos de pé torto podem ser corrigidos até a oitava semana de vida. O tratamento consiste na manipulação adequada do pezinho do bebê por meio de uma aplicação semanal de gesso, sem cirurgias, seguida do uso temporário de uma órtese de botinhas sobre uma barra.

– Polidactilia e sindactilia
A polidactilia é caracterizada pelo aparecimento do “sexto dedo”, um apêndice cutâneo suspenso pelo dedo mindinho constituído apenas de tecido e osso, sem articulações. Nos casos mais comuns, a retirada pode ser realizada por meio de uma corda apertada ao dedo extra, que o faz soltar-se da base. Em casos mais complexos, no entanto, pode ser necessária uma cirurgia para retirá-lo.
Enquanto a sindactilia gera a união de dedos por ossos (completa) ou membranas (parcial). A correção desse defeito é realizada por meio de uma cirurgia, ocorrida entre os seis meses e dois anos de idade da criança.